top of page
  • Foto do escritorDanilo Ibanez Spaziani

Passo a passo para emplacar uma moto elétrica


As motos elétricas se difundem cada vez mais no país, refletindo suas vantagens em relação aos modelos convencionais. Os consumidores, neste sentido, têm buscado alternativas que aliam o desempenho ao custo-benefício, o que favorece a elevada procura registrada por esse veículo.


Comprovando esse cenário, a Associação Brasileira do Veículo Elétrico (AVBE) anunciou que as vendas de veículos elétricos cresceram 76% nos primeiros oito meses do último ano, o que traz à tona a importância de que debatamos suas respectivas legislações. Conduzir uma motocicleta elétrica em conformidade com as normas regulatórias representa uma obrigação, mas, mesmo assim, muitos desconhecem sua burocracia.


Como consequência, os modelos que não respeitarem as exigências do Detran são prontamente apreendidos, provocando um mal-estar aos seus usuários – além de prejuízos econômicos. Fato é que, quando um indivíduo planeja adquirir uma moto elétrica oriunda do exterior, se faz necessário que esteja ciente em relação à sua homologação.


Através desse procedimento técnico, que tem seus estágios superados após a obtenção de documentos emitidos pelos órgãos reguladores, torna-se possível emplacar sua moto elétrica. Os detalhes que compreendem esses processos, porém, despertam constantes dúvidas, que na sequência do artigo serão integralmente sanadas. 


Como distinguir a moto elétrica de uma moto convencional?


Embora seja autoexplicativo, as motos elétricas dependem de cargas de eletricidade para circularem, enquanto os modelos a combustão queimam combustíveis fósseis para obterem energia. Desta maneira, acabam acarretando efeitos deletérios ao meio-ambiente, ao passo que emitem gases poluentes ao longo dos trajetos. 


Mas, levando em consideração a categorização de uma moto elétrica sob o ponto de vista da legislação, é válido destacar que os modelos dividem-se em ciclomotores elétricos, scooters elétricos e motocicletas elétricas.


Suas características diferem-se especialmente em relação à performance, já que os ciclomotores são recomendados para percursos menos extensos, e as scooters e motocicletas aproveitam-se de maior velocidade e potência para oferecem outras soluções aos seus públicos. 


Destrinchando sobre seus atributos, os ciclomotores alcançam potência de até 50cc e velocidade de até 50km/h. As scooters e motocicletas, por outro lado, registram pelo menos 80km/h e 125cc de potência, justificando suas demandas crescentes


Como descobrir se minha moto elétrica precisa ser emplacada?


Em meio à procura por veículos sofisticados e tecnológicos, naturalmente nos deparamos com as motos elétricas. Apesar dos diferenciais que, a cada dia, cativam mais pessoas, os modelos estão submetidos a uma legislação, a qual é rigorosa e taxativa quando se trata do seu emplacamento. 


Neste sentido, o CTB (Código de Trânsito Brasileiro) estabeleceu diretrizes para indicar ou não a necessidade de uma moto elétrica ser emplacada, a fim de facilitar a compreensão por parte de seus adeptos. Assim, é de suma importância que tantos seus fabricantes e importadores quanto seus vendedores e usuários certifiquem-se das particularidades que exigem seu registro, licenciamento e emplacamento. 


Na sequência, conheça os requisitos determinantes para o enquadramento da moto elétrica nas normas de emplacamento:


  • Registrar uma potência que supere 4KW

  • Registrar uma velocidade que não exceda 60km/h

  • Dispor de um peso bruto superior a 400kg

Quando o veículo em questão reúnes todas essas características, ele automaticamente é categorizado como um automotor, os quais devem ser emplacados sem qualquer questionamento. 


O emplacamento da moto elétrica depende da sua homologação?


Sim. O desenvolvimento de uma motocicleta desde seu primeiro protótipo é complexo, demandando uma mão de obra altamente qualificada e tecnologia de ponta. Em função disso, torna-se prudente que haja uma inspeção técnica em todos os seus dispositivos.


Por isso, o Senatran (Secretaria Nacional de Trânsito) obriga a emissão do CAT (Certificado de Adequação à Legislação de Trânsito), tanto para pessoas físicas quanto para pessoas jurídicas. A obtenção deste documento sucede a verificação dos requisitos mínimos do veículo no que se refere à qualidade e segurança, desempenhando um papel crucial no bem-estar do trânsito.


Assim, a homologação automotiva é finalizada, e você estará cada vez mais próximo de assegurar o emplacamento da sua moto elétrica. É válido ressaltar que o procedimento também engloba ensaios com o objetivo de verificar a eficácia dos seus dispositivos de segurança, recomendando ou não a necessidade de substituição de peças.


Após a obtenção do CAT, quais documentos são necessários para a conclusão do emplacamento?


À medida que todas as demandas homologatórias são superadas, o responsável pela moto elétrica deve concentrar os esforços no cumprimento de outras normas da legislação. Embora existam dúvidas relacionadas ao prazo para regularizar uma moto elétrica, é aconselhável que se antecipe e, assim, desfrute do veículo sem qualquer preocupação.


Já com o CAT em mãos, o orientamos a conduzir sua moto elétrica ao órgão regulador de trânsito do seu estado, a fim de concretizar o tão esperado emplacamento. Porém, não esqueçamos que o licenciamento e registro do modelo também são indispensáveis, já que reafirmam suas credenciais e contribuem com a identificação durante o trânsito. 


Sendo assim, a documentação que possibilitará o emplacamento da sua moto elétrica compreende o CAT original e uma cópia, nota fiscal do veículo e uma cópia, comprovante de pagamento das taxas relativas ao registro, licenciamento e seguro, comprovante de residência, além do RG e CPF. Na sequência, serão entregues o Certificado de Registro de Veículo (CRV) e o Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV), que referendam a legalidade da sua moto elétrica. 


Quais as principais vantagens de adquirir uma moto elétrica?


  • Manutenção simples

  • Economia com combustíveis

  • Fácil carregamento

  • Condução silenciosa

  • Preservação do meio ambiente

  • Desempenho surpreendente

  • Isenção de IPVA (em alguns estados)


Qual empresa pode me auxiliar no emplacamento da moto elétrica?


Caso queira garantir uma moto elétrica homologada e, portanto, reunindo todas as condições para seu emplacamento, a contratação da VIP Engenharia é mais que recomendada. Contamos com uma equipe empenhada a superar suas expectativas, alinhada às principais tendências do mercado e habituada a oferecer soluções inovadoras.


Não é novidade para ninguém que as motos elétricas vêm se tornando cada vez mais influentes no mercado automotivo, apesar da burocracia que envolve seu emplacamento. E para superar esse processo complexo e, finalmente, aproveitar as potencialidades do veículo, nos comprometemos a ajudá-lo.


Clique aqui para solicitar contato com nossos especialistas, que prontamente te ajudarão!

13 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page